I



descendo vertiginosamente de sonho para sonho
ainda não parei de acordar. e de sonhar.

Jorge de Sousa Braga

Sem comentários:

Publicar um comentário