Árida, a minha vida continua. Mas não regresso a mim. O meu corpo permanece no teu corpo delicioso e dentro do meu peito há plumas que se agitam ao vento da distância e me fazem sofrer.
A que já não é, exige, e a sua ausência absorvente devora-me e invade-me.

Henri Michaux, Nós dois ainda

Sem comentários:

Publicar um comentário