Sentenças


Os eleitos voltados de costas para a morte
Vamos de costas em direcção à morte
com uma flauta proibida

A poesia é uma mão debaixo de uma porta
Dispõe ovos a meus pés
e eu incubo-os em cima da minha língua


Rechaço a realidade
como um móvel apodrecido
Instituo a cena obrigada do desejo
Amanheço a acreditar adormeço herege
Meio espírito opta pelo seu orgulho primário
o outro meio pelo seu auto-domínio
Assim pois desgarramento!
E nada de metades
A dinâmica verdadeira encontra-se
no fogo da palha
e em Dioniso

Dos meus pés finos e belos
Dos meus pés de precioso molde
sobe à minha boca a não liberdade
Oh limite de Lúcifer oh virgem não oferecida
Oh viagem oh paisagem sem pátria
Oh voo esférico sobre a gangrena


Carlos Edmundo de Ory

Sem comentários:

Publicar um comentário