Aguardo os vossos livros como uma tempestade que irá - quer eu queira quer não - desabar.
Semelhante a uma operação ao coração. (Sem metáfora! Todo o poema (teu) corta o meu coração e retalha-o segundo o seu saber - quer eu queira quer não).
Não se pode querer nada!
Sabes porque te trato por tu e te amo etc., etc., etc.. Porque tu és uma força.
A coisa mais rara.

 
Marina Tsvétaïeva

Sem comentários:

Publicar um comentário