O meu peso nas tuas mãos abertas:
a paciência insonora do meu desespero.

Paul Celan

Sem comentários:

Publicar um comentário