Ninguém nunca adormeceu a sentir os pés.
 
Vasco Gato
 
in A Fábrica, Língua Morta

Sem comentários:

Publicar um comentário